Lírio e sua simbologia

O lírio é sinônimo de brancura e, conseqüentemente, de pureza, inocência, virgindade. Pode encontrá-lo de Boehme ou em Silesius como símbolo da pureza celeste: O noivo de tua alma deseja entrar. Floresce: ele não vem se os lírios não florirem.

Entretanto, o lírio se presta a uma interpretação completamente diferente. Seria o final da metamorfose de um favorito de Apolo, Jacinto, e evocaria, sob esse aspecto, amores proibidos; mas trata-se aqui do lírio martagão (o lírio-vermelho). Foi colhendo um lírio (ou um narciso) que Perséfone foi arrastada por Hades, enamorado dela, através de uma abertura repentina do solo, para seu reino subterrâneo; o lírio poderia nesse sentido simbolizar a tentação ou a porta dos Infernos. Na sua Mitologia das plantas, Angelo de Gubernatis julga que se atribui o lírio a Vênus e aos Sátiros, sem dúvida por causa do pistilo vergonhoso, e que, portnato, o lírio é um símbolo de prociração; o que, segundo esse autor, teria sido a causa dos reis da França o terem escolhido como símbolo da prosperidade da raça. Além desse aspecto fálico, Huysmans denuncia em La Cathédrale (A Catedral) seus eflúvios pecaminosos [ponto de vista cristão]: seu perfume é bem o contrário de um perfume casto; é uma mistura de mel e pimenta, alguma coisa de acre e adocicado, de fraco e de forte; parece com a conserva afrodisíaca do Oriente e com os confeitos eróticos da Índia. Poderiam ser lembradas aqui as correspondências baudelarianas desses perfumes: que cantam os arrebatamentos dos espíritos e dos sentidos. Este simbolismo é antes lunar e feminino, como Mallarmé sentiu tão bem:

E tu fizeste a brancura soluçante dos lírios,Que, rolando sobre mares de
suspiros que de leve roçaNo meio do incenso azul dos horizontes
empalidecidos,Sobe sonhadoramente para a lua que chora!

Este simbolismo torna-se mais preciso ainda, ao se interiorizar num outro poema, Hérodiale:

… desfolho,Como se perto de um chafariz, cujo jato de água me acolhe,os lírios
pálidos que existem dentro de mim…

O simbolismo das águas acrescenta-se aqui ao da Lua e dos sonhos para fazer do lírio a flor do amor, de um amor intenso, mas que, na sua ambigüidade, pode ficar irrealizado, reprimido ou sublimado. Se ele é sublimado, o lírio é a flor da glória.

Essa noção não é estranha à equivalência que se pode estabelecer entre o lírio e o lótus, elevado acima das águas lamacentas e sem forma. Trata-se então de um símbolo de realização das possibilidades antitéticas do ser. Talvez se devam interpretar nesse sentido as palavras de Anquises a Enéias, predizendo-lhe o maravilhoso destino de sua raça: Tu serás Marcelo. Dá lírios às mãos cheias, para que eu espalhe flores deslumbrantes (Virgílio, Eneida, 6:884). Essa oferenda de lírios à memória do jovem Marcelo, quando da descida de Enéias aos Infernos, ilustra toda a ambigüidade da flor: vendo-a a bordo do Leste (6:706), Enéias é percorrido por um arrepio sagrado diante do mistério da morte; por outro lado, estas flores deslumbrantes, oferecidas ao filho adotivo de Augusto, contribuem para reanimar no coração de Enéias o amor a sua glória futura. Valor ao mesmo tempo fúnebre e sublime do símbolo.

O lírio heráldico (lis) de seis pétalas pode ainda ser identificado com os seis raios da roda (símbolo) cuja circunferência não é traçada, isto é, com os seis raios do Sol: flor de glória e fonte de fecundidade.

Na tradição bíblica, o lírio é o símbolo da eleição, da escolha (escolhida) do ser amado:

“Como o lírio entre os cardos, assim minha bem-amada entre as jovens mulheres”
(Cântico dos Cânticos 1:2)

Esse foi o privilégio de Maria como mãe de Jesus, esse foi o privilégio de Maria Madalena como esposa de Jesus, uma hipótese cada vez mais aceita. O lírio simboliza também o abandono à vontade de Deus, isto é, à Providência, que cuida das necessidades de seus eleitos:

“Observai os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam” (Mateus
6:28)

Assim abandonado entre as mãos de Deus, o lírio está, entretanto, melhor vestido que Salomão em toda a sua glória. Ele simboliza o abandono místico à graça de Deus.

Esse post foi publicado em Cultura, Deusa, Feminino, fertilidade, filosofia, Mitologia, Mulher, Religião, sensualidade, sexualidade. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s