Pour mon petite hibou


“Embaixo do calor do véu de Nix,
Com Selene brilhando como testemunha,
Eu conheci meu Bom Senhor.

Olhei no fundo de seus olhos
Vi sinceridade e timidez.
Quando senti o calor de sua pele,
Eletricidade corria em minhas veias.
Senti o conforto de seu “abração de tamanduá”
Envolvendo-me e levando-me a uma dimensão além.
Abraço este que, corpo a corpo, pescoço a pescoço,
Eu pude olhar fundo em sua anima
Desejando-o com vontade, ele e seus lábios.
Sua anima encontrou-se com minha alma!
Então, com certa timidez, seus lábios encostaram-se nos meus
E pude sentir o aroma do Jardim dos Deuses
Junto aos seus lábios doces e suaves.
Finalmente nossos desejos e vontades se encontraram e encaixaram
Em um beijo intenso e cheio de vontade um pelo outro.
Não poderia ser melhor!”

Esse post foi publicado em Alma, Amor, Beijo, Crônica, Crônicas, Eros, História, Homem, Intensidade, Libido, Lua, Mulher, Pensamentos, poema, poesia, Pureza, Reflexões, Vida. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s