Melíades, mitologia grega

Melíades

Do grego Melía, freixo. Trata-se, pois, das Ninfas dos freixos. Em memória de seu nascimento sangrento, o cabo das lanças era confeccionado de freixo, “que se levanta para o céu como lanças”. Hesíodo chama-as de Melíai.
A raça da idade de bronze, violenta e sanguinária, nasceu, como se falou no Capítulo VIII, dessa árvore de guerra.
Para os gregos, o freixo é símbolo de poderosa solidez. No mito escandinavo é o símbolo da imortalidade e o traço-de-união entre os três níveis cósmicos. Por isso mesmo o freixo Yggdrasil é a árvore da vida: o universo se desdobra à sombra de seus galhos imensos e os animais aí se abrigam.

Yggdrasil está sempre verde, porque é alimentada pelas águas da fonte Urd, guardada dia e noite por uma das Nornas. A árvore sagrada possui três raízes: uma, na fonte Urd; outra, na terra dos gelos, Niphleim, para alcançar a fonte Hvergelmir, origem das águas que circulam em todos os rios do mundo; a terceira, no país dos Gigantes, onde canta a fonte da Sabedoria, Mimir. Assim como os deuses gregos se reuniam nos píncaros do monte Olimpo, os deuses germânicos se congregavam aos pés de Yggdrasil. Quando das grandes catástrofes cósmicas, em que um mundo se destruía para que surgisse um outro, a árvore sagrada permanecia de pé, imóvel, impávida, invencível. Nem as chamas, nem as geleiras, nem as trevas poderiam destruí-la. A árvore da vida era o último refúgio dos que escaparam ao cataclismo e aqui permaneceram, para repovoar o mundo novo. Yggdrasil é o símbolo da perenidade da vida, que nada poderá destruir.
Na antiguidade clássica, o freixo possuía um grande poder mágico, além de funcionar como poderoso antídoto contra todos os venenos, desde que se msiturassem suas folhas ao vinho.

Nereidas, Oceânidas, Náiades… divindades das águas claras, das fontes e das nascentes, geram e criam grandes heróis. Vivem nas cavernas, nas grutas, lugares úmidos, o que lhes empresta um certo aspecto ctônico, apavorante, por isso que todo nascimento se relaciona com a morte e vice-versa.

Além do mais, grutas e cavernas são locais para iniciação, em que se morre, para se renascer para uma vida nova.

No desenvolvimento da personalidade, as Ninfas representam uma expressão de aspectos femininos do inconsciente. Divindades do nascimento, suscitam a veneração, de mistura com um certo temor: roubam crianças e podem perturbar o espírito de quem as vê. Sua hora perigosa é o meio-dia, momento de sua hierofania. Quem as vir, tornar-se-á presa de um entusiasmo ninfoléptico. É aconselhável, por isso, não se aproximar, ao meio-dia, de fonte, nascentes e da sombra de determinadas árvores…

About these ads
Esse post foi publicado em Arquétipo, Deusas, Feminino, filosofia, Libido, Mitologia, mitologia grega, Mulher, Ninfas, sensualidade. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s