Simbologia da Rosa

ROSA
A rosa é considerada símbolo do amor e da mulher amada, por isto representa, praticamente, todas as Deusas do Amor.
Famosa por sua beleza, sua forma e seu perfume, a rosa é a flor simbólica mais empregada no Ocidente. Corresponde, no conjunto, ao que o lótus é na Ásia, um e outro estando muito próximos do símbolo da roda. O aspecto mais geral deste simbolismo floral é o da manifestação, oriunda das águas primordiais, sobre as quais se eleva e desabrocha. Esse aspecto não é, aliás, estranho à Índia, onde a rosa cósmica Triparasundari serve de referência à beleza da Mãe divina. Designa uma perfeição acabada, uma realização sem defeito. Como se vrá, ela simboliza a taça de vida, a alma, o coração, o amor. Pode-se contemplá-la como uma mandala e considerá-la como um centro místico.
A rosa é a flor de maior simbolismo na cultura ocidental. A Rosa é uma flor consagrada a muitas deusas da mitologia. Símbolo de Afrodite e de Vênus (deusa grega e romana do amor). O cristianismo adotou a Rosa como o símbolo de Maria. De acordo com o mito grego, Afrodite quando nasceu das espumas do mar, tal espuma tomou forma de uma rosa branca, assim a rosa branca representa a pureza e a inocência. Conta o mito que quando Afrodite viu Adônis ferido, pairando sobre a morte, a deusa foi socorrê-lo e se picou num espinho e seu sangue coloriu as rosas que lhe eram consagradas. Assim, na Antigüidade as rosas passaram a ser colocadas sobre os túmulos, sendo uma cerimônia chamada pelos antigos de “Rosália”. Todos os anos no mês de maio enfeitam-se os túmulos com rosas.
A Rosa vermelha significa o ápice da paixão, o sangue e a carne. Para os romanos as rosas eram uma criação da Flora (deusa da primavera e das flores), quando uma das ninfas da deusa morreu, Flora a transformou em flor e pediu ajuda para os outros deuses. Apolo deu a vida, Bacus o néctar, Pomona o fruto, as abelhas se atraíram pela flor e quando Cupido atirou suas flechas para espantá-las, se transformaram em espinhos e, assim, segundo o mito diz ter sido criada a Rosa.
A Rosa é, igualmente, consagrada a Isís (com o lótus) que é retratada com uma coroa de rosas. O miolo da Rosa, fechado, fez com que a flor significasse em muitas culturas o símbolo do segredo.
Um costume medieval era de colocar uma Rosa no teto da sala de reuniões indicando que onde houvesse a flor no teto, os assuntos deveriam ser mantidos em segredo. Logo surgiu o costume de pintar rosas no teto das salas e assim levou a decoração de muitas casas de arquitetura clássica.
Na tradição Hindu, a deusa Lakshmi (deusa do amor), nasceu de uma Rosa. Simbolismo da beleza e da pureza, perfeição em todos os sentidos, na idade média a Rosa passou a ser símbolo da virgem Maria por significado de pureza. As rosáceas das catedrais góticas foram dedicadas a Maria como emblema do feminino em oposição à cruz. Os rosários originais eram feitos com pétalas de rosa. A palavra “rosário” deriva do latim “rosarium” que significa roseiral.
Na iconografia cristã, a rosa é ou a taça que recolhe o sangue de Cristo, ou a transfiguração das gotas desse sangue, ou o signo das chagas de Cristo. Um símbolo rosa-cruz apresenta cinco rosas, uma no centro e uma sobre cada um dos braços da cruz. Essas imagens evocam o Graal ou o orvalho celeste da redenção. E, já que citei os Rosa-Cruzes, observe que seu emblema coloca a rosa no centro da Cruz, isto é, no lugar de Jesus. Este símbolo é o mesmo da Rosa Cândida da Divina Comédia, que não pode deixar de evocar a Rosa Mística das litanias cristãs, símbolo da Virgem; talvez também o mesmodo Romance da Rosa. Angelus Silensius faz da rosa a imagem da alma, e ainda a imagem de Cristo, de quem a alma recebe a marca. A rosa de ouro, outrora abençoada pelo Papa no quarto domingo da Quaresma, era um símbolo de poder e de instrução espirituais, mas também, é claro, um símbolo de ressurreição e de imortalidade.
A rosácea gótica e a rosa-dos-ventos marcam a passagem do simbolismo da rosa ao da roda.
É necessário observar o caso particular, na mística muçulmana, de um Saadi de Chiraz, para quem o Jardim das Rosas é o da contemplação: Irei colher as rosas do jardim, mas o perfume da roseira me embriagou. Linguagem que a mística cristã não recusaria de nenhuma maneira, como comentário do Cântico dos Cânticos sobre a rosa de Saron.
Por sua relação com o sangue derramado, a rosa parece ser freqüentemente o símbolo de um renascimento místico: Sobre o campo de batalha em que caíram numerosos heróis, crescem roseiras e roseiras bravas. Rosas e anêmonas saíram do sangue de Adônis, enquanto o jovem deus agonizava.
É preciso dizer, diz Mircea Eliade, que a vida humana se consuma completamente, para esgotar todas as possibilidades de criação ou de manifestação; se vem a ser interrompida bruscamente, por uma morte violenta, tenta prolongar-se sob outra forma: planta, flor, fruta.
As cicatrizes são comparadas a rosas por Abd Uk Kadir Cilani, que atribui a estas rosas um sentido místico.
Segundo F. Portal, a rosa e a cor rosa constituiram um símbolo de regeneração em vrtude do parentesco semântico do latim rosa com ros, a chuva, o orvalho. A rosa e sua cor, diz ele, eram os símbolos do primeiro grau de regeneração e de iiciação aos mistérios… O burro de Apuleiro recupera a forma humana, ao comer a coroa de rosas vermelhas que lhe oferece o supremo sacerdote de Ísis. A roseira, acrescenta este autor, é a imagem do regenerado, assim como o orvalho é o símbolo da regeneração. E a rosa, nos textos sagrados, acompanha com muita freqüência o verde, o que ajuda esta interpretação. Assim, em Eclesiastes (24, 14): Cresci… como as plantas das rosas de Jericó, como uma oliveira magnífica a planície. A oliveira era consagrada a Atena (deusa dos olhos cerúleos) que nasceu em Rhodes, a Ilha das rosas: o que sugere os mistérios da iniciação. E as roseiras eram consagradas a Afrodite, bem como a Atena. A rosa era entre os gregos uma flor branca, mas, quando Adônis, protegido de Afrodite, foi ferido de morte, a deusa correu para socorrê-lo, se picou num espinho, e o sangue coloriu as rosas que lhe eram consagradas.
É este simbolismo de regeneração, vida e amor que faz com que, desde a Antigüidade, se coloquem rosas sobre as tumbas: os antigos… chamavam esta cerimônia e rosalia; todos os anos, no mês de maio, ofereciam aos defuntos arranjos de rosas. E Hécate, deusa dos Infernos, era à vezes representada com a cabeça cingida por uma guirlanda de rosas com cinco folhas. Sabe-se que o número cinco, sucedendo ao quatro, número de realização, marco o início de um novo ciclo.
No século sétimo, segundo Beda, a tumba de Jesus era pintada com uma cor em que se misturavam branco e vermelho. Encontram-se estes dois elementos componentes da cor rosa, o vermelho (paixão, amor) e o branco (pureza), com seu valor simbólico tradicional, em todos os planos, do profano ao sagrado, na diferença atribuída às oferendas de rosas brancas e vermelhas, assim como na junção entre as noções de paixão e de pureza, e entre as de amor transcendente e de sabedoria divina. Nas armas das religiosas, diz o Palácio da Honra, coloca-se uma coroa composta de galhos de roseira branca com suas folhas, suas rosas e seus espinhos, para denotar a castidade que elas conservaram entre os espinhos e as mortificações da vida.
A rosa tornou-se um símbolo do amor e mais ainda do dom do amor, do amor puro… A rosa como flor de amor substitui o lótus egípcio e o narciso grego; não são as rosas frívolas de Catulo… mas as rosas célticas, vivazes e altivas, não desprovidas de espinhos e carregadas de um doce simbolismo: a do Romance das Rosas, que Guillaume de Lorris e Jean de Meung tranformaram no misterioso tabernáculo do Jardim do Amor da Cavalaria, rosa mística das litanias da Virgem, rosas de ouro que os Papas oferecerão às princesas dignas, enfim a imensa flor simbólica que Beatriz mostra a seu fiel amante, quando este chega ao último círculo do paraíso, rosa e osácea ao mesmo tempo.

O amor paradisíaco será comparado por Dante ao centro da rosa: Ao centro de ouro da rosa eterna, que se dilata, de grau em grau, e que exala um perfume de louvor ao sol sempre primaveril, Beatriz me atraiu… (DAC, o Paraíso, canto XXX, 124-127 – canto XXXI, v. 4-22). Aqui pode se notar uma leve alusão que a rosa possa representar a vulva.

Segundo a tradição, cada cor de Rosa tem um significado, já na Alquimia representa o feminino e corresponde ao órgão sexual da mulher. A cruz sendo símbolo masculino deu origem a palavra “Rosa-Cruz”, o primeiro símbolo da ordem Rosa-Cruz.

Branca ou vermelha, a rosa é uma das flores preferidas dos alquimisas, cujos trabalhos se intitulam freqüentemente roseiras dos filósofos. A rosa branca, como o lírio foi ligada à pedra em brano, objetivo da pequena obra, enquanto que a rosa vermelha foi associada à pedra em vermelho, objetivo da grande obra. A maior parte dessas rosas tem sete pétalas, e cada uma dessas pétalas evoca um metal ou uma operação da obra. Uma rosa azul seria o símbolo do impossível.

Inúmeros são os mitos sobre a Rosa, em geral tem o significado do amor, seja espiritual, carnal, virginal. Símbolo da pureza a rosa possui suas propriedades não só simbolicamente, mas é aproveitada na medicina, para perfumes, culinária, entre outros atributos. A Rosa tornou-se simbolismo do amor e, por isso, muitas pessoas têm o hábito de presentear quem ama com a flor do amor.
About these ads
Esse post foi publicado em Afrodite, Cultura, Deusa, Deusa do amor, Deusas, Feminino, fertilidade, Mitologia, mitologia grega, Mitologia nórdica, mitologia suméria, Mulher, Rosa, símbolos, sensualidade, sexualidade. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s